quinta-feira, 16 de julho de 2009

EVANGELHO

Sendo a Umbanda cristã, seguindo e praticando os ensinamentos do nosso mestre maior Jesus Cristo se orienta no evangelho, e em especial o evangelho espírita, sabendo que existem muitas religiões, porque as religiões e uma atitude do homem, na busca de Deus, e um único evangelho, que nos mostra o verdadeiro caminho direcionado ao nosso próximo, para chegar a Deus, pois conforme esta escrito que sem caridade não ha salvação, a Umbanda, em todos seus cultos são voltados para amenizar o sofrimento espiritual e material dos nossos irmãos.

Cristo não vos disse, tudo o que concerne sobre estas virtudes da caridade e do amor, pôr que nós deixamos de lado os seus divinos ensinamentos, não ouvindo suas divinas palavras, e o coração de toda a sua doçura, nós desamparamos este livro, deixamos este código admirável no esquecimento, vossos maus não provém senão do desamparo voluntário que vós fazeis deste resumo das Leis Divinas. Leiam, portanto estas páginas todas flanadas da dedicação de Jesus, e meditai-as." (Vicente de Paulo, ESE, XIII, 12).

A palavra de Jesus era freqüentemente simbólica e em parábolas, porque Ele falava segundo os tempos e os lugares. Convém agora que a Verdade seja inteligível para todo o mundo. Convém explicar bem e desenvolver estas leis, visto que há tão poucas pessoas que as compreendem e ainda menos as que as praticam.” (627 do LE).

A doutrina que Jesus ensinou é a mais pura expressão de sua lei, porque Ele era animado pelo Espírito Divino, e é o mais puro que apareceu sobre a terra.(Allan Kardec, 625 do LE).

Nós reconhecemos que o Espiritismo resulta, a cada passo, do mesmo texto da escritura consagrada. Os Espíritos não vêm, portanto, derribar a religião, como uns quaisquer o pretendem; eles vêm, ao contrário, confirmá-la, sancioná-la pôr provas irrecusáveis. Mas, como o tempo é chegado de não mais empregar linguagem figurada, eles se exprimem sem símbolo e dão às coisas um significado claro e preciso, que não pode ser sujeito a nenhuma interpretação falsa.” (São Luís, 1011 do LE).

Meus amigos, estes que têm assistido à minha Vida e à minha morte são os intérpretes divinos das vontades de meu Pai.(Jesus Cristo, dissertação espírita IX do LM).
Seria ilógico, em efeito, admitir que uma doutrina que gostaria de diminuir o número de seus adeptos cepo mais verdadeira do que aquela que quer aumentar os seus (Eraste, discípulo de Paulo de Tarso, ESE, XXI, 10).

No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Tudo foi feito pôr ele. Sem ele, nada teria sido feito. A Vida estava nele porque a Vida é a luz dos homens. A luz brilhou na escuridão (trevas). A escuridão (trevas) foi vencida pela luz. (João, I, 1-5). Vós também testemunhareis, porque vós estais comigo desde o princípio. (João, XV, 27). Sem pai, sem mãe, sem genealogia, tendo nem começo de dias, nem fim de Vida, mas, feito semelhantemente ao Filho de Deus, permanece sacerdote eternamente. (Carta de Paulo apóstolo aos Hebreus, VII, 3).

Nós estamos com Jesus desde o começo dos tempos, pois, a rigor, o tempo não teve princípio, nem terá fim. "É assim que tudo se encrava, que tudo se encadeia dentro da Natureza, desde o átomo primitivo até inclusive o arcanjo, que, ele mesmo, foi começado pelo átomo;” (540 do LE).

Este fluido universal, ou primitivo, ou elementar, sendo o agente que o espírito emprega, é o princípio sem o qual a matéria estaria em estado perpétuo de divisão e não adquiriria jamais as propriedades que a gravidade lhe dá." (27 do LE). Tudo principia na matéria que não tem peso e está em constante divisão: a centelha celestial do perispirito de Deus (88 do LE). Devido à lei do progresso, esta matéria adquire peso com a presença do elétron (fluido universal, elétrico, magnético ou nervoso). A união do agente (fluido universal - corrente elétrica, elétron) que é "uma matéria mais perfeita, mais sutil, e que nós podemos ver como independente." (27, II, do LE) que não se divide constantemente, com a própria e grossa matéria (o núcleo atômico), forma o átomo. "Porque o nada não existe." (958 do LE).

Jesus é Espírito Santo (do hebraico: puro). “Não sendo mais submetidos à reencarnação em corpos perecíveis, eles saciam a Vida eterna quem é pôr eles no seio (tórax) de Deus.” (113 do LE). "Aí vós não tendes mundos onde o Espírito, cessado de habitar um corpo material, não tenha outro templo senão o perispirito? Sim, e este o melhor templo torna-se tão celestial que, para vós, este é como se ela não existisse; este é então o estado dos Espíritos puros." (186 do LE). “Imaterial não é a palavra: incorpora seria mais exato, pois tu dedilhas bem compreender que o Espírito sendo uma criação deve ser qualquer coisa; este é uma matéria sem analogia para vós, e tão celestial que ela pode sucumbir sob vossos sentidos.” (82 do LE). "O templo semimaterial do Espírito, ela ama as formas determinadas e ela pode ser percebida? Sim, uma forma segundo a vontade do Espírito, e este é assim que ele vos aparece quaisquer vezes, ora em sonhos, ora no estado do véu (capítulo IV), e que ele pode tomar uma forma visível e mesmo palpável”.(95 do LE). Maria podia ver Jesus e Gabriel em sonho ou acordada.

Quem o Espírito se torna após a sua última encarnação? Espírito bem feliz; ele é Espírito puro. (170 do LE). "Os Espíritos puros vem aos mundos subalternos? Eles vêm aí freqüentemente para ajudá-los a progredir; sem estes, estes mundos seriam deixados a eles mesmos sem guias para dirigi-los”.(233 do LE). "Quem é a pessoa mais perfeita quem Deus tem oferecido ao homem para servir a ele de guia e modelo? Cobiçai Jesus." (625 do LE). “Marchai! Marchai! Vós tendes os guias, segui-os: o fim pode vos mancar, pois este fim, este é Deus ele mesmo”.(495 do LE). "Os Espíritos têm corpos, porque é conveniente bem que o Espírito seja vestido de matéria para agir sobre a matéria; mas este templo é mais ou menos material segundo o degrau de pureza atingido pelos Espíritos, e estes são estes quem fazem a diferença entre os mundos onde nós devemos visitar; pois ele tem aí muitos lares no lar de nosso Pai e então para muitos degraus. O um sabe e tem consciência sobre esta terra, e os outros não são absolutamente iguais”.(181 do LE).

Amai os vossos inimigos e fazei o bem a eles, e emprestai, nunca esperando devolução; e vossa recompensa será grande, e vós sereis filhos do Supremo. Pois ele é bom com os ingratos e mau. Perdoai, como vosso Pai é perdoa. (Lucas, VI, 35-36). Todos tendem para o mesmo fim e Deus fez suas leis para todos. Vós dizeis freqüentemente: ‘O Sol luz para todos’ e enunciais assim uma verdade maior e mais geral do que pensais” (803 do LE).

As boas ações são a melhor prece, porque os atos valem mais do que as palavras." (661 do LE). "O Espírito de quem ora atua conforme a sua vontade de praticar o bem. Pela oração, ele atrai a ele mesmo os bons Espíritos quem se associam com ele no bem que ele quer fazer.“ (662 do LE). Quando oramos pelos nossos inimigos eles sentem medo de nós e de fazer o mal a nós.

Evite fazer a vossa justiça diante dos homens, com o fim de serdes veste pôr eles. Vós não tereis recompensa de vosso Pai que está no céu. Quando vós derdes uma esmola, não soem uma trombeta diante de vós, como os pequenos críticos fazem nas sinagogas e nas ruas, para glória deles diante dos homens. Em verdade eu digo a vós: Eles já receberam a recompensa deles. Mas tu quando deres uma esmola, a tua mão direita deverá ignorar o que a tua mão esquerda faz, para que a tua esmola seja secreta. E teu Pai, quem vê secretamente recompensar-te-á. (Mateus, VI, 1-4). Depois que ele falou, um fariseu pediu que ele comesse com ele; e ele entrou e sentou-se à mesa. O fariseu admirou-se porque Jesus não se lavara antes de comer. E o Senhor disse a ele: Vós, fariseus, limpais o exterior do copo e do prato; mas o vosso interior está cheio de vítimas e de perversidade. Tontos! Quem fez o exterior não fez o interior também? Antes, dai esmola do que tiverdes, e tudo vos será limpo. (Lucas, XI, 37-41).

Nem alforjes para o caminho, nem duas túnicas, nem sandálias, nem bengala, porque digno é o operário do seu alimento. (Mateus, X, 10). Nem jamais comemos pão à custa de outrem; pelo contrário, em labor e fadiga, de noite e de dia, trabalhamos, a fim de não sermos pesados a nenhum de vós, não porque não tivéssemos esse direito, mas pôr termos em vista oferecer-vos exemplo em nós mesmos, para nos imitardes. Porque, quando ainda convosco, vos ordenamos isto: se alguém não quer trabalhar, também não coma.

Pois, de fato, estamos informados de que, entre vós, há pessoas que andam desordenadamente, não trabalhando; antes, se intrometem na vida alheia. A elas, porém, determinamos e exortamos, no Senhor Jesus Cristo, que, trabalhando em silencio, comam o seu próprio pão. (2º Carta de Paulo apóstolo aos Tessalonicenses, III, 8-12).

Que mal há em fazer a justiça? Jesus aceitou a esmola (comida) do fariseu. Jesus estava sujo e não se lavou. Jesus foi ingrato com o fariseu. A mão direita que bate não é a mesma mão esquerda que afaga. O homem quem bate é o mesmo quem afaga. A mão que dá esmola também humilha. "Jesus fala principalmente da esmola porque no tempo e no país onde ele vivia a gente não conhecia os trabalhos que as artes e a indústria criaram depois e nos quais a riqueza pode ser aplicada utilmente para o bem geral. Eu direi a todos, quem pode dar pouco ou muito: 'dai esmola quando ela for necessária, mas sempre que possível, convertei-a, em salário, assim aquele quem o recebe não se envergonhará dele.'" (Fénélon, ESE, XVI, 13). O trabalho dignifica o homem. "Toda ocupação útil é trabalho". (675 do LE). "Condenando-se a pedir esmola, o homem se degrada física e moralmente: ele fica bruto. Uma sociedade que se baseie na lei de Deus e na justiça deve prover à vida do fraco, sem que aja para ele humilhação. Deve assegurar a existência dos que não podem trabalhar, sem lhes deixar a vida à piedade do acaso da boa vontade de alguns". (888 do LE). A moedinha ou o prato de sopa consome-se e desaparecem. "O forte deve trabalhar para o fraco. Não tendo este família, a sociedade deve fazer as vezes desta. É a lei de caridade." (685, I, do LE).

Nuvem alguma obscurece a luz verdadeiramente pura; o diamante sem jaça é o que tem mais valor: julgai, pois, os Espíritos pela pureza dos seus ensinos. Não esqueçais que, entre eles, há os que ainda se não despojaram das idéias da vida terrena. Sabei distingui-los pela sua linguagem. Julgai-os pelo conjunto do que vos dizem, vede se há encadeamento lógico nas suas idéias; se nestas nada revela ignorância, orgulho ou malevolência; em suma, se suas palavras são sempre carimbadas pelo selo de judiciosidade que a verdadeira superioridade manifesta”. (conclusão do LE, IX).

Porquanto cada árvore é conhecida pelo seu próprio fruto. Porque não se colhem figos de espinheiros, nem dos abrolhos se vindimam uvas. O homem bom do bom tesouro do coração tira o bem, e o mau do mau tesouro tira o mal; porque a boca fala do que está cheio o coração. (Lucas, VI, 43-45).

Ora, descendo ele da montanha, grandes multidões o seguiram. E eis que um leproso, tendo-se aproximado, adorou-o, dizendo: Senhor, se quiseres, podes purificar-me. E Jesus, estendendo a mão, tocou-o, dizendo: Quero, fica limpo! E imediatamente ele ficou curado da sua lepra. Jesus disse a ele, então,: Olha, não o digas a ninguém, mas vai mostrar-te ao sacerdote e fazer a oferta que Moisés ordenou, para servir de testemunho a eles. (Mateus, VIII, 1-4).

Através de aplicações de passes magnéticos o sonâmbulo natural pode ser induzido ao sonambulismo magnético. Devemos curar. “Deus abençoa sempre os que fazem o bem. O melhor meio de honrá-lo consiste em minorar os sofrimentos dos pobres e dos aflitos”. (673 do LE).

Dias depois, Jesus entrou de novo em Cafarnaum, e logo correu que ele estava em casa. Muitos afluíram para ali, tantos que nem mesmo junto à porta eles achavam lugar; e anunciava a palavra a ele. Alguns foram ter com ele, conduzindo um paralítico, levado pôr quatro homens. E, não podendo aproximar-se dele, pôr causa da multidão, descobriram o terraço no ponto correspondente ao em que ele estava e, fazendo uma abertura, baixaram o leito em que jazia o doente. Vendo a fé deles, Jesus disse ao paralítico: Filho, os teus pecados estão perdoados. Mas alguns dos escrevam estavam assentados ali e arrazoavam em seu coração: Pôr que fala ele deste modo? Isto é blasfêmia! Quem pode perdoar pecado, senão um, que é Deus? E Jesus, percebendo logo pôr seu espírito que eles assim arrazoavam, disse a eles: Pôr que arrazoais sobre estas coisas em vosso coração? Qual é mais fácil? Dizer ao paralítico: Estão perdoados os teus pecados, ou dizer: Levanta-te, toma o teu leito e anda? Ora, para que saibais que o Filho do Homem tem sobre a terra autoridade para perdoar pecado disse ao paralítico: Eu te mando: Levanta-te, toma o teu leito e vai para tua casa. Então, ele se levantou e, no mesmo instante, tomando o leito, retirou-se à vista de todos, a ponto de se admirarem todos e darem glória a Deus, dizendo: Jamais vimos coisa assim! (Marcos, II, 1-12).

Tendo Jesus voltado de barco, para o outro lado, afluiu para ele grande multidão; e ele estava junto do lago. Eis que se chegou a ele um dos principais da sinagoga, chamado Jairo, e, vendo-o, prostrou-se a seus pés e insistentemente suplicou a ele: Minha filhinha está à morte; vem, impõe as mãos sobre ela, para que seja salva, e viverá. Jesus foi com ele. Grande multidão o seguia, comprimindo-o. Aconteceu que certa mulher, que, havia doze anos, vinha sofrendo de uma hemorragia e muito padecera à mão de vários médicos, tendo despendido tudo quanto possuía, sem, contudo, nada aproveitar, antes, pelo contrário, indo a pior, tendo ouvido a fama de Jesus, vindo pôr trás dele, pôr entre a multidão, tocou a veste dele. Porque, dizia: Se eu apenas lhe tocar as vestes, ficarei curada. E logo se lhe estancou a hemorragia, e sentiu no corpo estar curada do seu flagelo. Jesus, reconhecendo imediatamente que dele saíra poder, virando-se no meio da multidão, perguntou: Quem me tocou nas vestes? Seus discípulos responderam a ele: Vês que a multidão te aperta e dizes: Quem me tocou? Ele, porém, olhava ao redor para ver quem fizera isto. Então, a mulher, atemorizada e tremendo, cônscia do que nela se operara, veio, prostrou-se diante dele e declarou toda a verdade a ele. E ele disse a ela: Filha, a tua fé te salvou; vai-te em paz e fica longe do mal. Ele ainda falava, quando chegaram alguns da casa do chefe da sinagoga, a quem disseram: Tua filha já morreu; pôr que ainda incomodas o Mestre? Mas Jesus, sem dar atenção a tais palavras, disse ao chefe da sinagoga: Não tema, acredite somente.

Contudo, não permitiu que alguém o acompanhasse, senão Pedro e os irmãos Tiago e João. Chegando à casa do chefe da sinagoga, viu Jesus o alvoroço, os que choravam e os que pranteavam muito. Ao entrar, lhes disse: Pôr que estais em alvoroço e chorais? A criança não está morta, mas dorme. E riam-se dele. Tendo ele, porém, mandado sair a todos, tomou o pai e a mãe da criança e os que vieram com ele e entrou onde ela estava. Tomando-a pela mão, disse: Talita cumi!, que quer dizer: Menina, eu te mando, levanta-te! Imediatamente, a menina se levantou e pôs-se a andar; pois tinha doze anos. Então, ficaram todos sobremaneira admirados. Mas Jesus ordenou a eles expressamente que ninguém o soubesse; e mandou que dessem de comer à menina. (Marcos, V, 21-43).

Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor, teu Deus; não farás nenhuma obra, nem tu, nem o teu filho, nem a tua filha, nem o teu servidor, nem a tua servidora, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro que está dentro das tuas portas. Porque em seis dias fez o Senhor o céu e a terra, o lago e tudo que neles há, e ao sétimo descansou; portanto, o Senhor abençoou o dia do sábado e o santificou. (Êxodo, XX, 9-11). Guarda o dia de sábado, para o santificar, como te ordenou o Senhor, teu Deus.

Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor, teu Deus; não farás nenhuma obra nele, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servidor, nem a tua servidora, nem o teu boi, nem o teu jumento, nem animal algum teu, nem o estrangeiro que está dentro das tuas portas; para que o teu servidor e a tua servidora descansem como tu. Porque te lembrarás que foste servidor na terra do Egito e que o Senhor, teu Deus, te tirou dali com mão forte e braço estendido; pelo que o Senhor, teu Deus, te ordenou que guardasses o dia do sábado. (Deuteronômio, V, 12-15).

Aconteceu que, num sábado, passando Jesus pelas searas (campos cultivados), os seus discípulos colhiam e comiam espigas, debulhando-as com as mãos. E alguns dos fariseus disseram a eles: Pôr que fazeis o que não é lícito aos sábados? Jesus respondeu a eles: Nem ao menos tendes lido o que fez Davi, quando teve fome, ele e seus companheiros? Como entrou na casa de Deus, tomou, e comeu os pães da proposição, e os deu aos que com ele estavam, pães que não lhes era lícito comer, mas exclusivamente aos sacerdotes? E acrescentou a eles: O Filho do Homem é Senhor do sábado. (Lucas, VI, 1-5).

Qual é o limite do trabalho? O das forças. Em suma, a esse respeito Deus deixa inteiramente livre o homem.” (683 do LE). “O repouso serve para a reparar as forças do corpo e também é necessário afim de dar um pouco mais de liberdade à inteligência, para se elevar sobre a matéria.” (682 do LE). A doutrina espírita não prevê dia, nem hora certos para o trabalho e para o repouso, mas ambos devem existir. “Que pensar daqueles que abusam de sua autoridade para impor aos subalternos um excesso de trabalho? É uma das piores ações. Todo homem que tem o poder de comandar é responsável pelo excesso de trabalho que impõe a seus subalternos, pois ele transgride a lei de Deus”. (684 do LE).

A vida de Jesus era uma parábola. Ele não curou ninguém. Ele apenas queria explicar que podemos fazer o bem no sábado. Os fariseus quiserem matá-lo, porque violara o sábado. Jesus ofendera o terceiro mandamento da lei de Moisés e a pena era de morte! Jesus ainda pedia que não publicassem e nem comentassem as obras dele, porque estava escrito que assim Ele agiria. Nunca se deve fazer publicidade do bem que se faz: “Convém fazer o bem pôr caridade, isto é, com desinteresse”. (897 do LE).

Ora, Jesus ensinava no sábado numa das sinagogas. E veio uma mulher possessa de um espírito de enfermidade ali. Ela andava encurvada já havia dezoito anos sem poder endireitar-se de modo algum. Vendo-a Jesus, chamou-a e disse a ela: Mulher, estás livre da tua enfermidade; e, impondo-lhe as mãos, ela imediatamente se endireitou e dava glória a Deus. O chefe da sinagoga, indignado de ver que Jesus curava no sábado, disse à multidão: Seis dias há em que se deve trabalhar; vinde, pois, nesses dias para serdes curados e não no sábado. O Senhor, porém disse a ele: Pequenos críticos, cada um de vós não desprende do cocho, no sábado, o seu boi ou o seu jumento, para levá-lo a beber? Pôr que motivo não se devia livrar deste cativeiro, em dia de sábado, esta filha de Abraão, a quem Satanás trazia presa há dezoito anos? Tendo ele dito estas palavras, todos os seus adversários se envergonharam. Entretanto, o povo se alegrava pôr todos os gloriosos feitos que Jesus realizava. (Lucas, XIII, 10-17).

Passadas estas coisas, havia uma festa dos judeus, e Jesus subiu para Jerusalém. Ora, existe ali, junto à Porta das Ovelhas, um tanque, chamado em hebraico Betesda, o qual tem cinco pavilhões. Nestes, jazia uma multidão de enfermos, cegos, coxos, paralíticos esperando que se movesse à água. Porquanto um anjo descia em certo tempo, agitando-a; e o primeiro que entrava no tanque, uma vez agitada a água, sarava de qualquer doença que tivesse. Um homem enfermo havia trinta e oito anos estava ali. Jesus, vendo-o deitado e sabendo que estava assim há muito tempo, perguntou a ele:
Queres ser curado? O enfermo respondeu a ele: Senhor, não tenho ninguém que me ponha no tanque, quando a água é agitada; pois, enquanto eu vou, desce outro antes de mim. Então, Jesus disse a ele: Levanta-te, toma o teu leito e anda. Imediatamente, o homem se viu curado e, tomando o leito, pôs-se a andar. E aquele dia era sábado. Pôr isso, disseram os judeus ao que fora curado: Hoje é sábado, e não te é lícito carregar o leito. Ao que ele respondeu a eles: O mesmo que me curou me disse: Toma o teu leito e anda. Eles perguntaram a ele: Quem é o homem quem te disse: Toma o teu leito e anda? Mas o que fora curado não sabia quem era; porque Jesus se havia retirado, pôr haver muita gente naquele lugar. Mais tarde, Jesus o encontrou no templo e disse a ele: Olha que já estás curado; não peques mais, para que não te aconteça coisa pior. O homem retirou-se e disse aos judeus que fora Jesus quem o havia curado. E os judeus perseguiam Jesus, porque fazia estas coisas no sábado. Mas ele disse a eles: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também. Pôr isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não somente violava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus. (João, V, 1-18).

Aconteceu que, ao entrar ele num sábado na casa de um dos principais fariseus para comer pão, eis que o estavam observando. Ora, diante dele se achava um homem hidrópico (acumulava líquido semelhante a soro em algumas cavidades). Então, Jesus, dirigindo-se aos intérpretes da Lei e aos fariseus, perguntou a eles: É ou não é lícito curar no sábado? Eles, porém, disseram nada. E, tomando-o, o curou e o despediu. A seguir, perguntou a eles: Qual de vós, se o filho ou o boi cair num poço, não o tirará logo, mesmo em dia de sábado? A isto nada puderam responder. (Lucas, XIV, 1-6).

Jesus, entretanto, foi para o monte das Oliveiras. De madrugada, voltou novamente para o templo, e todo o povo ia ter com ele; e, assentado, os ensinava. Os escrevam e fariseus trouxeram uma mulher surpreendida em adultério à sua presença e a colocaram no meio de todos. Disseram a Jesus: Mestre, esta mulher foi apanhada em adultério, em pleno ato. E na lei Moisés nos mandou apedrejar tal: E tu, o que dizes a respeito dela? Isto eles diziam, provando-o, para terem de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia na terra com o dedo. Como insistissem em perguntar, Jesus se levantou e disse a eles: Aquele que dentre vós estiver sem pecado atire a primeira pedra. E, tornando a inclinar-se, escrevia na terra com o dedo. Mas, ouvindo eles esta resposta, foram-se retirando um pôr um, a começar pelos mais velhos até aos últimos. Jesus ficou solitário com a mulher que estava no meio. Jesus levantou-se e disse a ela: Mulher, onde eles estão? Os homens não te condenaram? Ela respondeu: Nenhum homem, Senhor. Então, Jesus disse a ela: Eu também não te condeno. Vá embora! E não peques mais de agora em diante. (João, VIII, 1-11).

João disse a ele: Mestre, vimos um homem que expulsa demônios em teu nome; e nós lhe proibimos, porque não segue conosco. Mas Jesus respondeu: Não lhe proibais; porque ninguém que faça um trabalho poderoso em meu nome, será capaz de falar mal de mim depois. Porque quem não é contra nós é favorável a nós. Todo aquele que vos der um copo de água para beber, em meu nome, porque sois pelo Cristo, em verdade vos digo que perderá o seu galardão de modo algum. (Marcos, IX, 38-41).

João queria proibir a comunicação com os Espíritos inferiores, mas Jesus é ecumênico (universal): todos podem conversar com os Espíritos inferiores para exorcizá-los das pessoas que eles perturbam. Para Jesus todos podem fazer sessões de desobcessão e distribuir água fria e magnetizada como os espíritas fazem. Alguns gostam de distribuir soro caseiro (copo de água com açúcar e sal).
Devemos interpretar pelo Espírito e não pela carne. Se um homem e uma mulher concordam que querem se amar, Deus concede a união a eles, basta que realizem o primeiro coito e estão casados segundo a lei de Jesus. Quem sucumbe aos prazeres da carne deve experimentar as dores correspondentes da própria carne. A todo prazer carnal corresponde uma dor carnal. “A simpatia que encanta um Espírito para um outro é o resultado da perfeita concordância de suas tendências, de seus instintos. Se um devesse completar o outro, ele perderia sua individualidade”. (301 do LE).

Visto que tu acreditas que Deus te constranja a permanecer com estes que te desgostam? E depois, nestas uniões, vós procurais freqüentemente mais a satisfação do vosso orgulho e da vossa ambição, do que o bem estar de uma afeição mútua; vós sofreis então as conseqüências dos vossos pré-julgamentos.” (940 do LE).

Depois, quantos não há aí que acreditam amar calidamente, porque não julgam senão pelas aparências, e quando são obrigados a viver com as pessoas, não tardam a reconhecer que isto não é senão uma isca material! Não basta ser provado pôr uma pessoa que agrada a vós e que vós acreditais ter belas qualidades; é ao vivo realmente com ela é que vós apodrecereis (podereis) apreciá-la. Quantos não há aí também daquelas uniões que, à primeiríssima vista, parecem não dever jamais ser simpáticas, mas quando um e outro são bem conhecidos e bem estudados pelo outro, eles terminam, pôr se amar um amor terno e duradouro, porque ele deita sobre a estima! É conveniente não esquecer que é o Espírito quem ama e não o corpo, e quando a ilusão material é dissipada, o Espírito vê a realidade. Há aí dois tipos de afeições: aquela do corpo e esta da alma, e nós agarramos freqüentemente uma pela outra. A afeição da alma, quando ela é pura e simpática, é duradoura; aquela do corpo apodrece. Eis porque, freqüentemente, estes que acreditavam amar-se de um amor eterno eles vestem-se de uma camisa-de-força quando a ilusão despenca”. (939 do LE).

É pôr isso que o casamento tradicional está sendo substituído pela união estável prescrita em lei; porque para haver a união estável basta haver união da carne. “A indissolubilidade absoluta do casamento está no direito natural ou solitária dentro da lei humana? É uma lei humana muito (três vezes) contrária à lei da natureza. Mas os homens podem mudar suas leis; estas da natureza são solitárias incalculáveis”. (697 do LE).

Jesus disse que se alguém se divorciar do seu cônjuge e se casar com outra pessoa, comete adultério. É verdade. Ele já tinha dito: “Mas eu vos digo, aquele que contemplar uma mulher e desejá-la, já cometeu adultério com ela em seu coração”. (Mateus, V, 28).

O adultério é uma tradição muito comum. “Eu digo a vós que a religião está sobre os lábios, mas não no coração daquele quem faz profissão de adorar o Cristo, mas que é orgulhoso, invejoso e ciumento, duro e incilenciável com outro, ou ambicioso dos bens deste mundo". (654 do LE). O adultério é uma prática que Jesus perdoa porque as mulheres em corpo de homem não sentem ciúme do sexo oposto. Jesus não condenou a adúltera, mas disse: “Eu também não te condeno. Vá embora! E não peques mais de agora em diante". (João, VIII, 11 - capítulo XLVI).

Os maiores inimigos do divórcio são os filhos. "Mas, neste caso, não há quase sempre aí no meio uma vítima? Sim, e é uma dura expiação para ela; mas a responsabilidade (conta) de seu mal estar recairá sobre estes que oraram esquentar a causa". (940, II, do LE).

Devem ser sempre ouvidos, pois os bens da família também pertencem a eles. Jesus aprova a castidade. “O celibato voluntário é um estado de perfeição meritório aos olhos de Deus? Não, e os que vivem assim pôr egoísmo desgostam sentimento a Deus e enganam todo o mundo”. (698 do LE).

A castidade não é, da parte de certas pessoas, uma renúncia dentro do fim (objetivo) de se aplicarem mais inteiramente ao serviço da humanidade? Isto é bem diferente. Eu disse: 'Pôr egoísmo'. Toda renúncia pessoal é meritória, quando é para o bem. Quanto maior a renúncia, tanto maior o mérito”. (699 do LE).

Pois o zelo da tua casa me devorou, e as reprovações dos que te reprovam caíram sobre mim. (Salmo, LXIX, 9).

Eu levarei à minha montanha sagrada até mesmo eles, e os festejarei na minha casa de oração; os holocaustos deles e os sacrifícios deles serão aceitos no meu altar; porque a minha casa será chamada de casa de oração para todos os povos. (Isaías, LVI, 7).

O machado já está posto na raiz das árvores; toda árvore, que não produz bom fruto é cortada e lançada no fogo. (Mateus, III, 10).

Ora, a mensagem que temos ouvido dele e vos anunciamos é esta: Deus é luz, e não há escuridão (trevas) nenhuma nele de modo absoluto. (João, I, 5).
Somos Espíritos feitos de fótons de luz. Somos filhos de Deus e Deus é luz. Jesus já havia dito: “Vós sois a luz do mundo. Uma cidade construída sobre o topo de uma montanha não pode esconder-se a si mesma.” (Mateus, V, 14). Logo somos filhos dos homens, filhos da luz que conduz o mundo. Choveria e a luz estava indo embora.

Disse também ao que o havia convidado: Quando deres um jantar ou uma ceia, não convides os teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem vizinhos ricos; porque sucederá que eles te convidarão e serás recompensado. Contudo, ao dares uma festa, convidam os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos; e serás bem-aventurado, porque ele não tem como te recompensar; porém, tu receberás a tua recompensa na ressurreição dos justos. (Lucas, XIV, 12-14).

Jesus respondeu e falou a eles em parábolas novamente: O reino dos céus é semelhante a um certo rei, que regozijou fazendo uma festa de bodas (aniversário do primeiro coito, cópula ou casamento) para seu filho. Então, enviou os seus servidores chamar os convidados para a festa; mas estes não quiseram vir. Ele ainda enviou outros servidores, dizendo: Contem aos convidados: Eis que já preparei o meu banquete; os meus bois e os meus bezerros gordos estão mortos, e tudo está pronto; vinde para a festa daquele casamento.Todavia eles não se importaram e foram para seu caminho, um para a sua fazenda, outro para o seu negócio; e alguns deitaram suas mãos nos servidores, os trataram desavergonhado e os mataram. O rei ficou colérico. Enviou as suas tropas, exterminou aqueles assassinos e inflamou a cidade deles. Então, disse aos servidores: A festa está pronta, mas os convidados não eram dignos. Portanto, cruzai os caminhos e convidai tantos quantos encontrardes para a festa daquele casamento. Aqueles servidores saíram pelos caminhos, juntaram todos os que encontraram, tanto maus quanto bons; e o quarto de dormir do banquete estava cheio de convidados. Contudo, quando o rei veio ver os convidados, ele contemplou um homem ali que não vestia roupa de nu Ele perguntou a ele: Amigo, como que então entraste aqui sem roupa de casamento? E ele calou a boca. Então, o rei ordenou aos servidores: Amarrai os pés e as mãos dele e expulsai-o para fora na escuridão (trevas); ali haverá choro e ranger de dentes. Porque muitos são chamados, mas poucos, escolhidos. (Mateus, XXII, 1-14).

Jesus gosta muito de festas cheias de comida, carne, pois é um filho pródigo (capítulo LIII). Evidentemente que o casamento somente pode ser realizado com nudez (cópula, coito). Porque casamento é união da carne. Ele prefere os convidados enganadores porque o ajudam a pregar suas mentiras de brincadeira. Ele preparava o povo para usar a violência para torná-lo rei.

Então, os fariseus foram-se, e se aconselharam sobre como trapaceariam em alguma palavra de Jesus. E enviaram seus discípulos a ele, juntamente com os erodia-nos, para dizer: Mestre, sabemos que és verdadeiro e que ensinas o caminho de Deus em verdade. Que não te importas com quem quer que seja, porque não contemplas a aparência dos homens. Daí dizei-nos: O que pensas? É lícito pagar tributo (imposto, taxa) a César ou não?

Mas Jesus percebeu a arapuca deles e disse: Pôr que preparam um julgamento (prova), pequenos críticos? Mostra a moeda do tributo. Trouxeram um denário (moeda romana de prata igual a dez centavos) a ele. E ele perguntou a eles: De quem é esta imagem e palavras? Responderam: De César. Daí, disse a eles: Então, dai a César o que pertence a César, mas dai a Deus o que pertence a Deus. Ouvindo isto, admiraram-se, deixaram-no e foram-se. (Mateus, XXII, 15-22).

Tendo eles chegado a Cafarnaum, os coletores do imposto da moeda do tributo vieram a Pedro e perguntaram a ele: Vosso Mestre, não paga, a moeda do tributo? Ele respondeu: Sim. Entrando Pedro em casa, Jesus antecipadamente perguntou a ele: O que pensas, Simão? De quem os reis da terra coletam impostos ou tributos? Dos filhos das suas entranhas ou dos estranhos? Pedro respondeu: Dos estranhos. Jesus disse a ele: Logo, os filhos estão isentos, mas, para que não os escandalizemos, vai ao lago, lança o anzol, e tira o primeiro peixe que fisgar; e, abrindo a boca dele, acharás uma peça estatal. Toma-a e dá a eles pôr mim e pôr ti. (Mateus, XVII, 24-27).

Quando o Filho do Homem vier na glória dele e todos os anjos com ele, então ele se sentará no trono da sua glória. E todas as nações serão reunidas diante dele. Ele separará umas das outras, como o pastor separa as ovelhas dos bodes. Ele porá as ovelhas à sua mão direita, mas os bodes à sua mão esquerda. Então, o Rei dirá aos da sua mão direita, vinde, benditos de meu Pai! Herdai o reino preparado para vós desde a fundação do mundo. Porque tive fome, mas destes-me de comer; tive sede, mas destes-me de beber; eu não era filho de suas entranhas, mas tu me alojaste. Eu estava nu, mas tu me vestiste; eu estava doente, mas tu me visitaste; eu estava preso, mas tu vieste a mim. Então, os justos perguntarão a ele: Senhor, quando nós te vimos com fome, mas te alimentamos? Ou com sede, mas te demos de beber? Ou quando nós te vimos fora de nossas entranhas, mas te alojamos? Ou nu, mas te vestimos? Ou quando nós te vimos doente, ou preso, mas nós fomos a ti? O Rei responderá a eles: Em verdade vos digo: Cada vez que vós fizestes isto a um destes meus últimos (mínimos) irmãos, a mim o fizestes. Então, o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para os fogos eternos, preparados para o diabo e seus anjos. Porque tive fome, mas não me destes de comer; tive sede, mas não me destes de beber. Eu não era filho de suas entranhas, mas tu não me alojaste; eu estava nu, mas tu não me vestiste; eu estava doente ou preso, mas tu não vieste a mim. Então eles perguntarão: Senhor, quando nós te vimos com fome, ou sede, ou fora de nossas entranhas, ou nu, ou doente, ou preso, mas nós não ministramos a vós? Então, ele responderá a eles: Em verdade vos digo que: Cada vez que vós não fizestes isto a um destes meus últimos (mínimos), vós não fizestes isto a mim. E estes irão embora para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna. (Mateus, XXV, 31-46).

Responderam a ele: Permita-nos sentar: um à tua mão direita e o outro à tua mão esquerda na tua glória. Mas Jesus disse a eles: Não sabeis o que pedis. Sois vós capazes de beber o cálice que eu bebo? Ou de ser batizados com a cruz com que eu sou batizado?
Disseram a ele: Nós somos capazes. Jesus disse a eles: Bebereis o cálice que eu bebo e sereis batizados com a cruz com que eu sou batizado; mas sentar-se à minha mão direita ou à minha mão esquerda, eu não o permito; senão isto é para aqueles que têm sido preparados. (Marcos, X, 37-40 - capítulo LVIII).

Esta parábola é uma fábula, pois Jesus coloca ovelhas e bodes nela. A ovelha é o carneiro que nos serve lã. A cabra é a fêmea do bode que nos fornece leite. Jesus diz que devemos receber os últimos (mínimos). Para entender último e mínimo é necessário ler o capítulo LIII. Devemos ser bons com os que pedem o mínimo, pois é impossível ser bom com todo quem nos pedem as coisas desta fábula. “Lembra-te de que os Bons Espíritos assistem estes que servem a Deus com humildade e desinteressadamente e que eles repudiam (capítulo LVI) qualquer que busque no caminho do céu um degrau para as coisas da terra; eles se retiram do orgulhoso e do ambicioso. O orgulho e a ambição serão sempre uma barreira entre o homem e Deus; é um véu esguichado sobre as Luzes Celestiais, e Deus pode servir-se do cego para fazer compreender a Luz”.(Espírito da Verdade, prolegômenos do LE).

Vós direis: É o sacrifício da Páscoa (passagem ao outro mundo) do Senhor, que passou pôr cima das casas dos filhos de Israel no Egito, quando ele golpeou os egípcios e livrou nossas casas. Então, o povo mesurou a cabeça e adorou. E os filhos de Israel foram e fizeram aquilo; como o Senhor tinha comandado Moisés e Arão, aí fizeram. Passou à meia-noite, quando o Senhor golpeou todos os primogênitos na terra do Egito, desde o primogênito de Faraó, quem estava sentado no seu trono, até o primogênito do preso que estava na prisão, e todos os primogênitos dos animais. O Faraó levantou-se na noite. Ele, todos os seus servidores e todos os egípcios. Então houve um grande grito no Egito. Pois não havia uma casa onde não houvesse um morto. (Êxodo, XII, 27-30).

No primeiro dia da festa dos pães sem fermento os discípulos vieram a Jesus e perguntaram: Onde queres que façamos os preparativos para tu comeres a Páscoa?
Ele respondeu: Ide à cidade a tal homem e dizei a ele: O Mestre disse: O meu tempo está vindo. Eu manterei a Páscoa em tua casa com meus discípulos. Eles fizeram como Jesus ordenara a eles e prepararam a Páscoa. Quando a tarde chegara, ele estava sentado à mesa com os doze discípulos. E, enquanto estavam comendo, Jesus declarou: Em verdade digo-vos que um dentre vós me trairá. E eles, muitíssimo pesarosos, começaram cada um a perguntar: Sou eu, Senhor? Ele respondeu: Ele que molha a mão dele comigo no prato, o mesmo me trairá. O filho do homem vai, mesmo como está escrito a respeito dele. Mas ai! daquele homem à cruz de quem o filho do homem é traído! Seria melhor para ele não ter nascido! Então, Judas, que o traiu, perguntou: Sou eu, Mestre? Jesus respondeu: Tu disseste. Enquanto eles estavam comendo, Jesus tomou pão, abençoou-o, dividiu-o, e ele deu aos discípulos, dizendo: Tomai, comei; este é o meu corpo. Ele tomou um cálice, deu boas graças a Deus (gargalhou), deu-o aos discípulos, dizendo: Bebam dele vós todos, porque este é meu sangue, o sangue da aliança, que será derramado para arrependimento dos pecados de muitos. Mas eu vos digo: Desde agora em diante, eu não beberei do fruto da videira, até aquele dia quando eu o beberei novo convosco no reino de meu Pai. (Mateus, XXVI, 17-29).

O relógio é o topo da casa. Todos os doze apóstolos traíram Jesus ao pedir a Páscoa. Pediram que Jesus fosse imolado. Naquela noite os apóstolos comeram a carne que tinham preparado: uma ovelha jovem assassinada. Depois de Jesus ter dito isto, ele estremeceu seu Espírito e testemunhou: Em verdade, em verdade vos digo que um dentre vós me trairá. Então, os discípulos olharam uns para os outros, duvidando dele. Um dentre os discípulos, que Jesus amava, estava no colo (seio) de Jesus à mesa. Simão Pedro sinalizou à cruz dele e disse a ele: Conte-nos a respeito, de quem ele está falando. Então, ele aconchegou-se mais no tórax de Jesus e perguntou a ele: Senhor, quem é ele? Jesus respondeu: Ele é aquele a quem eu darei o naco de pão molhado. Daí ele tomou um pedaço de pão, molhou e deu a Judas, o filho de Simão Iscariotes. E após o bocado, de repente Satanás entrou nele. Então, Jesus disse a ele: O que tu fazes, faça rapidamente. Nenhum deles à mesa entendeu o que ele visava quando ele declarou isto a ele. Porque Judas tinha a bolsa, eles pensaram que Jesus dissera: Compra as coisas que precisamos para a festa ou daria algo para os pobres. Tendo recebido o bocado, saiu imediatamente. E era noite. (João, XIII, 21-30).

Logo, enquanto ele ainda falava, Judas veio, um dos doze, e com ele uma multidão com espadas e clavas, vinda dos principais sacerdotes, escrevam e anciãos. Ora, o traidor tinha dado um sinal a eles: Quem eu beijar, é ele; prendei-o e guiai-o com segurança.
Quando ele veio, imediatamente ele foi a ele e disse: Mestre! E o beijou. Então, eles deitaram as mãos deles nele e o prenderam. Mas um certo deles sacou a espada dele e atacou o servidor do sumo sacerdote cortando a orelha dele. Jesus disse a eles: Saístes com espadas e clavas, como contra um ladrão, para prender-me? Diariamente eu estava convosco no templo ensinando, mas vós não me prendestes. Contudo, isto é feito para que as Escrituras sejam cumpridas. Então, eles todos o deixaram, fugindo. Um certo jovem o seguiu, tendo uma toalha sobre seu corpo nu. Eles deitaram as mãos deles nele. Mas ele deixou a toalha e fugiu nu. (Marcos, XIV, 43-52).











PERGUNTAS E RESPOSTAS.

- Existem provas da sobrevivência dos espíritos?
O intercambio com almas chamadas de outro mundo é hoje pratica normal através de médiuns. A materialização, voz direta psicografia, incorporação, clarividência e outros tipos de mediunidade, traduzem para a área física a voz, imagem, à letra, a idéia, a consciência, os valores e até mesmo os dissabores de muitos espíritos que aqui viveram e hoje se situam felizes ou angustiosamente no plano imediato, o astral.
Através de livros milenares, conhecidos como livros sagrados dessa ou daquela religião, vemos despontar claramente a informação, o esclarecimento e até mesmo a perseguição de certos espíritos. Senão, vejamos: David afasta, por meio de música, o espírito maligno que atormentava o rei Saul I (Samuel, 16:14 e 23) O rei da Babilônia vê a mão materializada de um espírito a escrever na parede (Daniel 5:5) O rei Jorão recebe uma comunicação escrita pelo espírito do profeta Elias (II crônicas 21:12); Saul, servindo-se da pitonisa, médium, de Endor, faz evocar o espírito de Samuel, o qual se manifesta e lhe prediz a morte no dia seguinte, o que de fato sucedeu (I Samuel cap.28:78 a 19); Moisés e Elias aparecem a Jesus e falam com ele (Mat.17:3)
Dezenas e dezenas de relatos se encontram não só no velho como no novo testamento, além de serem comuns em livros santos de outras religiões.

- Qual é o evangelho que devemos ler?
Todos os evangelhos, das religiões cristãos, são bons, mas temos que ter o cuidado, porque, cada uma da uma ênfase nos escritos, que mais lhe interessa nos seus cultos. Recomendamos o evangelho espírita que nos parece o mais puro, além de ser comentado pelos espíritos.

- Podemos aceitar o que está escrito no evangelho como verdadeiro?
O evangelho foi escrito em um idioma de difícil tradução e ao mesmo tempo foi traduzido por pessoas que tinham ideologias de maneira que alguma palavra fosse mais própria do tradutor do que do texto original, mas o sentido nos dá a beleza de uma compreensão, por isso aquilo que não concordares, deixa de lado, mas com certeza irá concordar com a grande maioria.

- Porque a Umbanda valoriza o evangelho?
Sendo a Umbanda uma religião Cristã, e que toda a religião Cristã segue o evangelho de Cristo, a Umbanda não poderia ser diferente. A Umbanda prega o evangelho assim como segue o mesmo. Pois este é o livro sagrado, que nos orienta, como verdadeiros irmãos. Além disso, destacamos a palavra de cristo em que ele diz: Sem caridade não há salvação, e todos os trabalhos da nossa religião esta voltado à caridade.
Somos uma religião cristã, seguindo o evangelho do Divino Mestre Jesus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário